Quinta-feira 25 de Setembro 2014
directora: Lusa Maria de Melo Ponte                                                                                   mundoacoriano@gmail.com
próxima actualização: 30-10-2014
http://www.grupobensaude.com
Publicidade
Palavras em volta

http://www.mundoacoriano.com
Publicidade

#
Publicidade
  • Um grande seio donde brotamos
    e abrimos os olhos para o mundo
  • Edeme Arsénio
    Açores, mundo inesquecível Se achar que precisa de voltar, volte! Se perceber que precisa seguir, siga! Se estiver tudo errado, comece novamente! Se estiver tudo certo, continue. Se sentir saudades, ...
  • Fátima Ribeiro de Medeiros
    A menina e a ilha Era uma vez uma menina muito faladora e risonha. Numa bela manhã de início de Julho a menina saiu de casa de seus avós na Rua da Alegria, sua casa também, e entrou num carro de praça ...
  • Leocádia Regalo
    A sombrinha À minha irmã Ela passeia-me ao colo, debaixo da sombrinha, à beira do calhau, na Fajã da Penedia. Sou criança, talvez com três anos, e tenho tosse convulsa. A caçula ...
  • Rodolfo Begonha
    Regresso a “casa” O meu corpo não nasceu nos Açores, todavia, é bem possível que a minha alma aí tenha nascido, ou, pelo menos foi aí que certamente renasceu! Apesar de já ter avistado de alguma ...
  • Esaú Dinis
    Em tempo de ir ao mato buscar lenha O pai metera-se a caminho, noite escura, para no mato arranjar a lenha necessária para aquecer o forno em dia de cozer pão. Levara foice roçadora, machado, alvião e a sua inseparável ...
  • Francisco Cota Fagundes
    Ilhas e memória
    A memória é a faculdade que nos permite aproximar o passado onde estivemos do presente onde estamos; que nos ...

  • António Manuel de Andrade Moniz
    Os anos foram voando
    Os Açores são a minha terra natal, onde vivi até aos trinta anos. Tendo nascido nas Furnas, ilha de S. Miguel, onde ...

  • Os viajantes natos, ávidos de distância, exprimem a sua vitalidade no número de países visitados, cruzando de ...

  • De longe é oprimum tempus que avança, parecendo despertar do seu sono de milénios. Vê-se então a paisagem ...

  • José Francisco Costa
    Um bocado de mim
    nunca saciado
    Insularidade. Palavra repleta de lugares, de histórias, pessoas, tempos. Magia polissémica, a transbordar, como ...

  • A alguém menos documentado sobre o assunto poderá o título deste artigo parecer algo pretensioso. Mas logo o ...
edições anteriores
Serviço público
Outros jornais